quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Assim

Assim, sem nem eu pedir
Aparecem recados por aí.
Sem que eu precise implorar
Ou dizer "puxa, vai lá!"

Quando eu penso, já está.
Já fez qualquer coisa
Nem preciso me preocupar...
Assim, fácil assim...

E aí só me falta sorrir,
Agradecer e dizer
Que ninguém nunca fez
Assim.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Dieta

Segunda feira eu começo...
A comer só pipoca e pizza.
A ver tv o dia todo
E a tomar cerveja do seu lado.

Serenidade

Uma nova estação.
Na primavera, verão
Que mesmo sem uma nova flor,
Já foi-se a dor.
Mais rápido que um band aid...

Antes que o sol se deite
Encosto a cabeça novamente
Mas desta vez, de maneira diferente...

Acabou-se tudo.
Mas ficou a esperança
Que me traz a nova estação.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Inocência

Ingênua.
Por acreditar que no seu nome eram seus dedos.
Por não perceber a falsidade em palavras
Que sua boca não diria.
Por estar tão feliz e não imaginar...
Que na sua mente nada acontecia.
E enquanto eu me derretia,
Nos versos de outro
Achei que era a sua voz.
Por tanto engano,
Por tão pouco ceticismo,
Agora não existe mais nós.

Sem teu lado não dá pra compor...
A minha única fonte é a dor.

Uma vida

Morreu.
Como nasceu de uma bem sucedida sequência,
Se foi na má interpretação da inocência...
Que sem saber porque, despiu-se dos medos.
Agiu sempre e em tudo, sem temer o fim.
Pois, viveu o grande amor,
Seu apogeu e sua queda.
E da culpa, sobrou o choro e um sorriso singelo
De quem não tem mais a quem amar.
Acabou.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Marola

Tanto vem e vai...

Não sei se aguento.

Acabou meu remédio pra enjoo.

Hunpf

Na minha cara de pateta,
Um sorriso falso.
De quem viu a vida em cores
Pra depois perder a visão.
Não sei que cegueira é essa,
Nem porque não melhora minha audição.
Mas eu preciso fingir que não sinto.

Na ponta do meu nariz vermelho,
Não sei o que me faz mais mal.
Sem você é assim...
Mas com você tem sido igual.

Preciso ser feliz.
Com ou sem você.

Iniquisição

Qual a penitência para o meu engano?
Não seria essa severa demais?

Afundei-me

Do céu ao inferno em algumas horas.

Amor X culpa

A dúvida não é quando me livro do amor...
Mas quando vou parar de sentir culpa.

No meu calendário...

... já tive dias melhores...

Racionalizando

Não tenho gastrite.
Não sofro de problemas na vesícula.
Meus rins funcionam bem...
Pois então, além de tudo ok na circulação,
Não sei que raios de dor é essa
Que perturba meu sistema digestivo,
E detona os meus batimentos,
Se o problema todo sai da cabeça.

Resultado

Alta produtividade num mês de baixa esperança e de nula segurança.

Amor

E se não fossem nossos erros a me atormentar,
Eu diria sem zelo ou pesar,
Que ainda abraço o mundo
E paro de vez em sempre pra lembrar
Do nosso eterno amor
Que nunca nasceu.

De novo

Mais uma vez, não sei o nome do bar.

Assim...

Que nem mármore de bar.

Erros

A pior dor de todas é a culpa por ter sido enganada.

Sado-maso

Que o sadismo alheio
Seja culpado por todas as evidências
Que o meu masoquismo não pondera
Por não ter em sua essência,
Um mínimo de amor próprio.

Temporal

Depois de tanta chuva,
Veio o sol.
Mas o calor era tanto
Que não resistiu o encanto.
E terminou em chuva
Um novo pranto.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Hoje

Sinto falta da sua ausência.

Mãos

Posso dar as duas mãos?

Vem vindo

Uns novos bens...

Qual a dúvida?

Enquanto enfio o dedo na tomada,
Outro penteia meus cabelos.

Hemisfério

Na minha atmosfera
Desconheço a pressão.
Não há medida humana
Pra nomear a evasão.

Não sei qual é a esfera
Que causa tanta depressão
Se em formas planas
Não há variação.

Talvez seja nessa espera
Que se encontra a solução.
Quando ninguém se engana...
Apenas abre o coração.

Vomitando tudo

Bluuuuuuuuuuuuuu
Bleeeeeeeeeeeerg
Bl...

À deriva

O sul diz que já era tempo.
O norte, que a gripe pode atacar.
O lado leste não se pronuncia...
Mas deixa o oeste dominar.
Não sei nessa rosa dos ventos
Em que hemisfério vou parar.

Vento do norte

Enquanto um novo vale,
Persisto em rios idos
De encontro à ansiedade.

Na hora do mergulho,
Mantenho a cabeça fora
Não me meto em profundidade.

Quando é tempo de saída,
Esqueço que já é tarde
Faltou um muito de serenidade.

Os ventos sopram sem ritmo,
E eu digo: "acho que desisto"
Mas falta coragem pra essa insanidade.

E até tudo voltar ao normal
Nos fantasmas preciso me encontrar
Pra acreditar que já houve nisso verdade.

Fuga

Preciso sair de mim.

Pronto, falei!

To morrendo de ciúmes.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Favorzinho

Posso te pedir pra você me acalmar?
Me diz qualquer coisa.
Me diz que eu não preciso ficar assim!
To nervosa. To ansiosa. Ta tenso.
To com medo...

Medo de não ter a noite mais perfeita do mundo com você.

Ânsia

Nem se eu fizer tudo ao meu alcance.
Mesmo que eu diga todas as palavras do mundo.
Até se eu escolher a roupa certa...
Ninguém sabe no que vai dar.
Tô com medo de esperar...

Já tem ano que espero a chance.
E agora que chega, bate tão fundo...!
Em outros tempos já fui mais esperta...
Mas, nessa hora parece que vou quebrar.
Posso pedir pra te namorar?

Penitência

Qual é a minha culpa por amar sozinha?

De autos

Cansei.
Não quero mais.
Parei de brincar de pique.

Sem você

Medo.
medo.
Medo.
medo. Medo.
medo.
Muito medo.
Medooo!

Chega logo!
Acaba com isso, por favor!

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Equidistantes

To cada vez mais tão perto....
Que essa distância não faz o menor sentido.

Desejo

Já dei três pulinhos e perguntei a São Longuinho: onde está aquele amor que arrumei?


quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Assim...

Quero chegar de mansinho
Sabendo que não preciso mais dizer nada.
Você já conhece todo o meu discurso...
Só quero me aninhar calada.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Problemas mecânicos...

A mesma distância que já me salvou em tantas, me fez fugir de outras e me apresenta novas boas.
Não sei como regular minha quilometragem...