quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Parem as máquinas

Para tudo! Parem as máquinas!
Chegou a minha hora de ser feliz!

Ze fini

Acho que dessa vez eu superei. Ufa!

Blerg

Cuspindo tudo pra ver se esse gosto amargo sai da minha boca.

A verdade

Nao adianta pedir desculpas ou lutar por um perdão quando eu mesma sei que meus erros sao imperdoáveis.

Ironia

No desespero por ser amada
Recebi conselhos de amor
De alguém que nunca soube amar.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

E no auge da ilusão.
Achei que tudo era passageiro
So meu amor que nao.

Ouvi por ai e faz todo o sentido

Você inventa o amor e eu invento a solidão.

Sai do armário

Sai do armário.
Esmurrei a porta e ela Nao abriu .
Tentei de leve soltar a fechadura mas Nao deu.
Pois então sai do armário a forca.
Chutei a porta.
Derrubei levando quem tivesse do outro lado.
Machuquei quem estava no lugar errado, na hora imprópria .
Destrui as portas. Agora Nao há mais como fechar
Nao da pra dizer que foi culpa do álcool.
Eu abri a porta com a certeza
Sem razão e sem destino.
Mas com certeza.
E Nao me arrependo de ter aberto.
De ter saído do armário.
Ja posso sentir o vento gelado da rua no rosto. Esta frio e nada disso aqui fora Eh do meu gosto.
Mas mesmo que com lagrimas, sai do armário pra dizer que ali ja Nao podia ficar.
Sai do armário e botei pra fora tudo que eu precisava dizer.
Sai do armário mas entrei no vazio.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Vazio

Havia parado de escrever fazia tempo quando resolver comprar um caderno novo.
Abriu na primeira folha, escreveu a data e largou a lapiseira.
Sempre que via um caderno em branco, um espaço vazio, logo se empenhava em preenche-lo. Mesmo sem idéias, mesmo com a mente em branco, uma folha vazia era como uma ferida Nao cicatrizada.
Escreveu palavras soltas.
Como que num ato falho, percebeu haver escrito "vazio". E começou a divagar sobre o que Eh para si essa sensação.
Pensou se estava feliz , ou se estava triste. Se sabia o que queria dizer depois de escrever vazio.

Mas Era so isso. Era vazio.
 Nao importaria o que esreveria naquelas folhas novas. Escreveria vazio.
Pensou se era a falta do amor ou se era a ausência da saudade. Se era a culpa pelo esquecimento ou se era apenas uma nova realidade.
Tentou de todas as formas, por horas, preencher com explicações o tal vazio.
Depois de muito tentar, desistiu.
Nao soube explicar o Vazio em folhas novas.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Felicidade

Você aprende um novo sentido de felicidade quando abre sua caixa de e-mail e vê a seguinte frase:
"voce faz de mim uma pessoa melhor".


Pois então, tento responder à altura e digo:
você faz de mim uma pessoa mais feliz.